logo-pm3O Prêmio Mandacaru – Projetos e Práticas Inovadoras para a Convivência com o Semiárido é uma iniciativa dirigida às associações de agricultores e agricultoras familiares, instituições de pesquisa, organizações da sociedade civil e entidades governamentais.

O Prêmio surgiu como uma das ações do “Programa Cisternas” BRA-007 B, executado pelo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade (IABS), por meio do convênio firmado junto ao Fundo de Cooperação para Água e Saneamento (FCAS) com aporte financeiro da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID) e apoio do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

Entre seus objetivos, está a contribuição para a transformação social, promovendo a preservação, o acesso, a gestão e a valorização da água como um direito essencial à vida e à cidadania, ampliando a compreensão e a prática da convivência sustentável e solidária com o Semiárido brasileiro.

O Mandacaru (Cereus jamacaru), também conhecido como “cardeiro”, é uma planta da família das cactáceas. No Brasil é um símbolo do bioma Caatinga, comum no nordeste brasileiro e não raro, pode atingir mais de 5 metros de altura.

Desta forma, este Prêmio foi inspirado nesta planta, símbolo de resistência à seca. A ideia é apoiar experiências e práticas que buscam as melhores formas de acesso a água de convivência com o semiárido brasileiro.

Em suas duas primeiras edições, foram premiadas 22 instituições, apoiando e difundindo 197 tecnologias sociais, beneficiando diretamente 8.000 pessoas e indiretamente 30.000, totalizando um valor de R$ 1.960.000 aplicados no desenvolvimento de ações inovadoras e exitosas em prol da convivência solidária e sustentável com o semiárido brasileiro. As categorias foram: Experimentação no Campo; Práticas Inovadoras; Pesquisa Aplicada e Gestão Inovadora.

Todas as práticas foram acompanhadas e monitoradas pelos técnicos do Programa em questões como: aplicação de recursos, participação, geração de emprego e renda e consolidação da tecnologia social. Este monitoramento também contribui para o fortalecimento das instituições beneficiárias e como aprendizado para melhoria das propostas, da estruturação e consolidação do prêmio.

Esta proposta da 3a Edição visa dar continuidade no apoio às essas inciativas inovadoras, aprimorando a metodologia de acompanhamento e visibilidade. Serão mantidas as categorias das edições anteriores e adicionadas três novas categorias: Experiências Internacionais-Regionais, Trabalhos Acadêmicos Científicos e Educação para a Sustentabilidade.

No ano internacional dos solos, o tema escolhido para esta edição é: Solos, Água, Produção e Consumo Sustentáveis. E terá uma integração com a certificação Dryland Champions da Convenção das Nações Unidas para o Combate à Dessertificação – UNCCD.