OSTRAS DEPURADAS DE ALAGOAS

O PROGRAMA

O Programa Ostras Depuradas de Alagoas envolve a inserção produtiva de moluscos bivalves, principalmente a ostra na cadeia do turismo. Sua premissa é a participação comunitária nas decisões, a qualidade e sanidade do produto, promoção de trabalho e renda e conexão entre produtores, chefes de cozinha e turistas.

Os parceiros do Programa são o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade – IABS, a Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento – AECID, Governo do Estado de Alagoas, Sebrae Alagoas e Prefeitura de Coruripe

HISTÓRICO

No estado de Alagoas, o cultivo de ostras (ou ostreicultura) está presente no dia-a-dia de cerca de 100 famílias, distribuídas em 05 comunidades dos municípios de Coruripe, Barra de São Miguel, Barra de Santo Antônio, Passo de Camaragibe e Porto de Pedras.

A atividade é fomentada e incluída nas políticas públicas de pesca e aquicultura do Governo do Estado e de parceiros, sendo alvo de ações que fomentem o seu desenvolvimento, visando a geração de renda e a consequente melhoria da qualidade de vida das famílias envolvidas.

A viabilidade da cadeia produtiva, no entanto, possuía uma fragilidade evidente: a venda do produto para restaurantes e estabelecimentos comerciais. Por se tratar de um alimento pouco difundido e de consumo não regular, aliado a falta de confiabilidade acerca da qualidade e sanidade do produto, as ostras de Alagoas apresentavam grande dificuldade de comercialização. Somava-se a isso ainda a carência de organização dos grupos produtores e a falta de direcionamento comercial, tornando sua venda extremamente restrita e pouco lucrativa.

Diante deste cenário, em 2009, a Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento – AECID, juntamente com o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade – IABS identificou a cadeia da ostra como prioritária e criou uma ação especifica de auxilio a esta atividade.

O desenvolvimento desta ação contou também com o apoio do Governo do Estado de Alagoas, que ofereceu a contrapartida logística ao projeto e do Sebrae/AL que seguiu trabalhando o fortalecimento dos grupos produtivos.

O objetivo principal era apoiar a geração de emprego, trabalho e renda para comunidades produtoras de ostra da região da capital Maceió, ampliado a comercialização do produto e incluindo princípios de responsabilidade ambiental, social, sanitária e de padrão de qualidade. Os objetivos temáticos foram estabelecer estratégia de comercialização, agregar valor ao processo produtivo tradicional, fortalecer a cultura gastronômica local e os conceitos de comércio justo, consumo e turismo sustentáveis.

O apoio da AECID foi extremamente importante e envolveu a construção de uma indústria de depuração e beneficiamento de moluscos no município de Coruripe – distante cerca de 130 km de Maceió, inaugurada em 2011. O processo de depuração consiste na remoção de agentes contaminantes dos moluscos garantindo a sanidade e a confiabilidade do produto – isso sanaria, portanto, o problema da venda de produtos contaminados.

Uma vez resolvida a questão do risco de contaminação restava ainda o desafio do direcionamento comercial do produto, bem como a organização dos grupos produtivos em torno de um modelo de gestão participativo e funcional. Para isso, foi desenhado nova etapa do projeto financiado pela AECID em 2012, com horizonte temporal de até final de 2013.

A construção do modelo de gestão compartilhada se iniciou a partir das ações da nova etapa projeto. O plano de trabalho inicial foi apresentado e discutido com as comunidades ostreicultoras e parceiros do projeto em reuniões mensais, assim todas as decisões começaram a ser tomadas participativamente. Em 2013, tal grupo iniciou o processo de institucionalização do Programa Ostras Depuradas de Alagoas. O comitê formado pelos grupos de ostreicultores e parceiros do projeto iniciou também sua institucionalização. Ainda em 2013, iniciou-se a  comercialização semanal da Depuradora , tendo o IABS assumido consensualmente a responsabilidade de gestão da indústria e da comercialização do produto, em formato de negócio social.

Desde então, os moluscos são comercializados semanalmente. Os resultados do projeto, podem ser acompanhados nos relatórios anuais e informes mensais, disponíveis neste site.